Oportunidades

Mudanças do mercado gráfico geram novas oportunidades; confira

O mercado gráfico tradicional está se transformando. O olhar do gestor deixou de ser somente para a impressão em papel e está incorporando novas tecnologias e equipamentos para impressão em grandes formatos voltados para a comunicação visual. A 27ª edição da Serigrafia SIGN FutureTEXTIL, que será realizada entre os dias 12 e 15 de julho, no Expo Center Norte, está focada em abranger todos os segmentos e trazer para o empresário gráfico novas oportunidades de expandir ou começar o seu negócio. Afinal, muitos empresários do setor já estão diversificando e apostando neste segmento como complemento.

É o caso da Flink Print: “Começamos a direcionar o nosso trabalho para a comunicação visual há quatro anos porque acreditamos que é um setor que tem futuro. A procura tem crescido 5% ao ano e já notamos que a concorrência está aumentando também. Atendemos com adesivos, cartazes, wobblers, banners, painéis, rótulos, projetos especiais, entre outros e nos parece muito promissor”, explica Graça Santos, Diretora Comercial.

Segundo o Diretor do Grupo Empresarial de Comunicação Visual da ABIGRAF (Associação Brasileira da Indústria Gráfica) – GE-SIGN, Eduardo Franco, a palavra de ordem hoje é a resiliência. “Temos de nos adaptar ao mercado em constante evolução, pois o cenário muda a cada instante com novas demandas e exigências por parte de clientes e consumidores.”

 A ABIGRAF-SP, por meio do Grupo Empresarial de Comunicação Visual GE-SIGN, tem promovido o debate entre os membros sobre as mais diversas formas de atuação neste mercado. “Temos atuado na valorização da impressão nas mais variadas aplicações, seja com treinamentos, palestras com especialistas, missões comerciais e rodadas de negócios”, explica Eduardo Franco.

Números da Indústria Gráfica

Os dados divulgados pela ABIGRAF sobre o ano de 2016 indicam que o Brasil possui hoje quase 20 mil empresas gráficas, metade delas alojadas no Sudeste. Com geração de cerca de 200 mil empregos em todo o país, as gráficas brasileiras ainda movimentaram, aproximadamente, 45 bilhões de reais em produção durante o ano. E quem está começando e deseja empreender no segmento tem boas chances. Do total, 81% são de microempresas ou empresas de pequeno porte 16%.

Quase a metade dos impressos feitos no Brasil representam embalagens para produtos: 42% do total. Publicações como livros e revistas correspondem a 26%, enquanto o restante se divide entre materiais promocionais e de segurança, notas, formulários, etiquetas, cadernos, cartões, envelopes, etc.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *